O relatório é uma ferramenta que registra o funcionamento do Observatório e traz uma análise desse processo e possibilidades de melhorias

O Movimento Nossa BH tem acumulado uma série de experiências ao longo dos anos, atuando diretamente com a mobilidade urbana de Belo Horizonte. Em 2016, com essas experiências em processos de planejamento, gestão, monitoramento e revisão das políticas de mobilidade na cidade, o Movimento Nossa BH propôs a criação do projeto Observatório Social de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte – #OBSERVAMOS-BH​, para contribuir com o cenário de transição de governo, buscando incidir para que as mudanças institucionais que viriam com a nova gestão permitissem consolidar os avanços ligados à mobilidade urbana, em especial no que diz respeito à participação da sociedade civil no desenvolvimento de políticas públicas nessa temática.

A avaliação crítica do ObsMob-BH foi feita em seis ítens, e foram levantados vários pontos fortes, negativos e possibilidades de melhora. A análise considera no observatório: o grupo de observadores, grupo executivo, balanço da mobilidade, o SisMob-BH, a comunicação e a dinâmica de funcionamento. Em um geral, existem pontos positivos, como as reuniões de forma horizontal, a existência de um site que facilita o acesso aos dados da cidade, análises críticas feitas a partir dos balanços, entre várias outras coisas.

Além de entender o que já funciona, o relatório também é propositivo e traz várias oportunidades para que o ObsMob-BH possa avançar ainda mais, como uma maior participação dos observadores, melhoria no funcionamento do site, trazer experiências de monitoramentos de outros lugares, entre várias outras.  

Todo esse processo foi registrado no Estudo de Caso sobre o Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte – ObsMob-BH. O documento pode ser acessado pelo link abaixo e conta um pouco da história do observatório, seus instrumentos, um balanço da mobilidade e uma análise de possibilidades de melhorias. Entenda mais sobre o #observamos bh e acompanhe de perto o nosso trabalho:

http://nossabh.org.br/estudo_de_caso_2017/