Na última quarta feira, dia 11, estivemos 49ª Plenária do Comitê Municipal sobre Mudanças Climáticas e Ecoeficência. Levamos para lá uma proposta de integração entre as políticas de mobilidade urbana, as mudanças climáticas e o planejamento urbano sensível ao gênero. E, sim, esses temas dão muita liga!

Para compartilhar um pouquinho, vão aqui algumas informações pertinentes:

>> O impacto das mudanças climáticas é maior nas famílias mais pobres. Dentre as pessoas mais pobres, as mulheres possuem mais barreiras de acesso a recursos para a adaptação às mudanças climáticas

>> O deslocamento relacionado com o cuidado, que é muito presente na mobilidade das mulheres, poderá aumentar o trabalho e o peso dessa função socialmente feminina à medida em que ocorrerem aumentos de doenças relacionadas às mudanças climáticas

>> Politicamente, tem-se percebido uma maior sensibilidade das mulheres quanto às questões das mudanças climáticas, de forma que a sua maior participação nos espaços públicos e de tomada de decisão podem contribuir para a política pública voltada para a mitigação dos impactos das mudanças climáticas e a inclusão do gênero neste âmbito

Veja mais informações nos relatórios:
UNESCO, 2016 – Relatório conciso de gênero: criar futuros sustentáveis para todos –https://bit.ly/2ux6DPu

Training Manual on Gender and Climate Change, IUCN and UNDP (leading agencies), 2009 –https://bit.ly/2NRrxBK

#MobCidades
#MobMulheres