O Nossa BH tem como missão fomentar espaços de diálogos entre atores sociais de Belo Horizonte e RMBH, em busca de comprometê-los com uma agenda por acompanhamento, proposição e monitoramento de políticas públicas no sentido de termos cidades mais justas, democráticas e sustentáveis.

Você pode estar se perguntando: para que fazer essa cartografia? Queremos entender de que maneira organizações da sociedade civil, coletivos, moradores e moradoras da RMBH têm defendido e promovido o direito à cidade. O que os motiva? Como sustentam suas práticas? Quais os desafios? E as oportunidades?

Mapear por quê?

O objetivo desta pesquisa é dar visibilidade às práticas de atuação e promoção da mobilidade urbana, com o intuito de revelar perspectivas que apontem para o planejamento da mobilidade metropolitana a partir de seus territórios, necessidades e contextos.

Quem queremos mapear?

A maior quantidade possível de organizações, movimentos sociais e coletivos que têm defendido e promovido o direito à cidade em sua amplitude (mobilidade urbana, resíduos sólidos, mudanças climáticas, cultura, juventudes, gênero, agenda LGBT+, etc). Essa cartografia de atores é direcionada a todas e todos que atuam com a temática da mobilidade urbana e políticas urbanas como garantia de direitos humanos.

Porque a mobilidade?

Dentro da perspectiva da transformação das cidades em formas mais inclusivas e democráticas, a mobilidade urbana se torna um elemento chave, pelo potencial de proporcionar o acesso à cidade e a mudança no padrão de emissões de gases de efeito estufa a partir da mobilidade mais ativa e coletiva em detrimento do transporte individual motorizado.

E o que será feito com essa cartografia?

O conhecimento gerado a partir dessa cartografia será compartilhado com todas e todos num encontro que será realizado no dia 23 de abril das 18h às 21h. Para tanto, pedimos que respondam ao questionário até o dia 07/04.

É fundamental contarmos com a sua contribuição para continuarmos mobilizando ideias, recursos, afetos e esforços em favor de cidades justas que não reproduzam nenhuma forma de discriminação de classe, território, idade, raça, gênero ou orientação sexual na construção e condução das suas políticas públicas. Assim, também solicitamos que compartilhem esse questionário com os grupos que tem dialogado para nos aproximarmos de mais pessoas que tem transformado seus territórios.

PARA PREENCHER O FORMULÁRIO CLIQUE AQUI.

Agradecemos pela colaboração!